7 de maio de 2018

AJOELHOU, VAI TER QUE REZAR!


Mas que… já pensaram que alguém pode ter-se ajoelhado apenas porque pode, ou simplesmente para meditar… ou melhor, já pensaram que ELA até poderia ter querido rezar, mas que também tem direito de mudar de ideias?

Há poucos dias, no comboio, um homem guineense a falar com uma mulher dizia: “larguei o meu bode, que cada um segure a sua cabra”. Eu pensei, um tanto chocado: “Bolas!, isto ainda se diz?”, mas chocado mesmo fiquei quando a mulher respondeu positivamente àquela besteira. 

Que os homens guineenses, com alguma idade, principalmente, sejam idiotas machistas não me faz espécie, afinal viemos de uma cultura de poligamia onde a mulher costumava ser negociada como mercadoria, e ainda continua a ser (e eu nem sou contra a poligamia, desde que a mulher possa também se casar com tantos quantos quiser). O maior problema foi ouvir a mulher a defender essa posição, essa mulher que um dia, na conceção do tal homem, já foi também cabra.

Esta mentalidade machista, essas frases idiotas, que aparecem nas músicas populares e tidas como engraçadas, justificam, perpetuam e incentivam as violações que diariamente ocorrem, não só em Bissau, mas em toda a parte do mundo.

Se uma violação acontecer na rua, começa-se por querer saber se foi “de noite” (o que ela estava a fazer na rua a essa hora? por que tinha de ir à discoteca? estava a pedi-la.), se ela tinha vestido um “tchuna” ou “toma-nha-numur” (vestido dessa forma! estava a pedi-la.), se ela tinha muitos namorados ou nenhum (já estava acostumada com a coisa. estava a pedi-la.); se a violação acontecer no quarto de um rapaz (o que ela foi buscar no quarto de rapaz? estava a pedi-la.). 

A rapariga está sempre a pedir para ser violada ou porque quando dança rebola demasiado ou porque é muito atrevidinha ou porque é “catorzinha” (disso eu falo num outro artigo). Os homens… não, não pensamos, afinal o mundo gira à volta do nosso pénis.

Cresci a ouvir histórias de rapazes que bicharam (de fazer bicha) uma rapariga, e eram contadas com os rapazes no lugar de heróis e contadas de tal maneira que eu também desejava estar nessa bicha, levou-me bastante tempo a perceber que eram nada mais que violações e não um jogo que "os meninos machos fazem".

Os rapazes são ensinados de que as raparigas são umas fingidas, mesmo quando querem, dizem: “Não!”. Algumas raparigas também são ensinadas que têm de fingir e dizer “não”, mesmo quando querem, o que por vezes atrapalha completamente a coisa. Assusta-me ouvir homens ao contar as suas conquistas a dizer coisas como: “ah, agora que me fizeste despir é que vais dizer ‘não’”, ou seja, uma vez que a rapariga manifeste algum interesse nele, uma vez que ela entre no seu quarto, não há volta a dar, “ela tem de rezar”. 

Mas já pensaram que quando nos vê despidos pode ter-lhe passado todo o brio? Ou que a nossa atrapalhação nos preliminares pode matar o desejo? Ou que ela de repente se lembrou de alguma coisa que lhe tenha cortado o desejo? 

Não, porque pensamos que os nossos desejos devem ser satisfeitos a todo o custo. Mas não sabem que existem óleos de todo o tipo e feitio, sabão, sabonete, ou pensam que a saliva é apenas para engolir… cuspam na palma da mão, caramba.

E quando queremos não importa que ela diga não, mas... não é não! Temos de aprender a viver com isso. Quando ela diz “não”, é para ser levado a sério como um “não”.

Muitas vezes vamos a uma entrevista de emprego, tudo corre bem e no dia seguinte dizem-nos que encontraram candidato melhor ou que não éramos o que pretendiam, o que fazemos? forçamo-nos na empresa porque nos tinham entrevistado antes? Os políticos prometem-nos mundos e fundos e depois dizem "não" (aliás, nem dizem, só nos viram as costas). Mas se sabemos aceitar esses tipos de “não”,  por que não o “não” de uma mulher?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...