5 de março de 2009

É O INCESTO CRIME?


Há algum tempo li sobre dois irmãos alemães que tiveram quatro filhos, não me chocou, amavam-se. Entretanto, recentemente encontrei-me oura vez com a mesma notícia e fonte diferente a dizer que o irmão tinha sido condenado à prisão por essa razão, isto sim, chocou-me. Eu sei que vai parecer bem desactualizado falar disso só agora, visto que se passaram dois anos sobre o assunto, entretanto, nunca é tarde para questionar: por quê?

Pessoas do mesmo sangue não podiam ter filhos, o povo é inteligente, o conhecimento empírico nem sempre falha, porque nasciam com malformações e outros problemas; atribuiu-se à causa, não a sangue, mas a deus, castigando os consanguíneos que se uniram.

Agora, séculos depois de os primeiros macacos terem estabelecido esse tabu estranha-se que, apesar dos conhecimentos científicos que hoje temos, ainda continua a imperar e, como se não bastasse, como um crime.

Por que não podem se amar maritalmente dois irmãos? Porque vai contra o senso comum, apenas por isso. Porque as pessoas não estando habituadas a verem tal coisa, levantam-se logo para gritarem contra, como se isso tivesse a ver directamente com eles.

Eu conheço casos de incesto, conviviv já com duas pessoas que se diz serem resultado de um incesto pai-filha, convivi com outra família cujas más línguas diziam que o chefe dela era incestuoso, pondo-se o avô nas netas. Odiei tomar o conhecimento deste segundo caso, porque estava apaixonado por uma das netas e ela só tinha 13 anos (eu tinha já 16), isso constitiu um abuso e sou contra.

Entretanto, se houver consentimento mútuo entre pai e filha, irmão e irmã, mãe e filho, por que não podem ter relações sexuais e viverem como um casal normal? Jocasta viveu com Édipo e foram felizes até o Sófocles decidir que já não deviam mais ser. Enquanto não sabiam da verdade, nada os impedia de ser feliz, a sua relação não chocava a ninguém, tiveram filhos e viveram bem, mas quando se soube da verdade, a opinião de todo o mundo mudou. Mas fica a pergunta, algum deles deixou de ser o que era? Jocasta deixou de ser Jocasta? Édipo deixou de ser Édipo? Não, tinha que acabar em tragédia para agradar ao senso comum, mas na verdade, podiam continuar a viver bem.

Os animais não pensam no incesto, simplesmente praticam-no e nem o chamamos de incesto, por que nós já temos de condenar os que decidem por esse modelo? 

Dois irmão gostam um do outro, tal e qual como toda a gente, têm direito de obter o objecto do seu desejo. Mas não, não podem, porque nós condenamos, qual temos alguma coisa a ver com a decisão deles, qual a sua escolha nos vai afectar.

Ensinados pelo Freud a reprimir instintos incestuosos, Freud pelo povo, percebe-se muito bem que ele existe e que tanto pode ser casual como não.

Lembro-me de ler algures a entrevista de um pai de uma dessas muitas estrelas que vai posar nua para o playboy dizer que está orgulhoso e que sempre comprou a revista e que sabe que a filha é um belo pedaço. Eu perguntei-me será que ele vai bater uma pela filha? Ou tipo, se fizerem a edição e substituírem a cara da filha ele não irá gostar de ver o corpo? Agora, se não lhe incomoda ver a filha nua nem deitar-se com ela, por que devia incomodar-nos a nós?

Vi um filme há já um bom par de anos, onde um homem entrou num encontro às cegas, tinham de lhe vendar os olhos, e foi dormir com a sua irmã, que também estava de olhos vendados, apaixonaram-se, e depois começaram a procurar a pessoas com quem estiveram e acabaram por descobrir a verdade. Pergunto agora, o que é que mudou da atracção que sentiram quando estiveram de olhos vendados, quando eram um para outro simplesmente homem e mulher, senão o facto de descobrirem que afinal eram irmãos que viviam na mesma casa e nesse caso a sociedade os condena? O filme só foi ao fundo do assunto à moda porno, pois era porno, ou seja, não o explorou devidamente.

Pá, sejamos mais flexíveis, deixem cada um fazer a sua escolha desde que essa escolha não magoe a ninguém, e nem sequer usemos a palavra devassidão para casos desses.

DESCUBRA DUAS DIFERENÇAS - NAZISMO E JUDAISMO



Eu adorei A Lista de Schindler, O Caso Odessa e muitos outros.

Caramba!, não me entendam mal, adorei porque foram filmes que me tiraram da minha zona de conforto, não porque andou ali um sacana ariano a assar judeus.

Judeus, judeus, pobres desgraçados. Alguém aqui já leu O Último Justo de Andre Schwarz Bart? O livro abre com a história de Judeus a serem chacinados na Europa e tentando sobreviver e manter as crenças. É tocante, é revoltante.

Foram mortos mais de seis milhões de judeus, diz-se, e eu não acredito (acho o número inflacionado - mas, não quero com isso diminuir a gravidade e o horor do holocausto), embora saiba que quem diga que isto constitiu falsidade é condenado, felizmente não vêm muitas pessoas a este blog. A Alemanha, perdão, os nazis não mataram apenas judeus, mataram tudo o que era diferente e contra eles, e andavam por aí muito povo diferente, da mesma maneira que não acredito que apenas descendentes de Jacob tenham saído atrás de Moisés.

Eu sempre tive pena do povo judeu. Conheci-o pela Bíblia, o povo querido de Deus, depois pelos romances e pelos filmes, portanto simpatizava com eles. Pois, ninguém merece ser assim tratado. Soube depois das medidas compenstórias, a Alemanhã a pagar tributos a Israel, a Europa a favor dos coitadinhos, a América a apadrinhá-lo, achei justo, muito justo, nem sequer me lembrei que sou de uma raça incontáveis séculos fodido pela ganância europeia, cujo país e continente ainda se encontram destroçados sem conseguirem encontrar um rumo certo, mas que ninguém se lembrou de indemnizar pelos danos. Os judeus foram indemnizados porque foram mortos, nós fomos mortos, vendidos e fodidos e ainda somos explorados... mas esta refrão é de outra cantiga.

Os judeus, eu descobri depois, e revolta-me, não são os coitadinhos que parecem ser e que o manual da História Universal disse que foram. Vamos ver, a história deles, escrtio na Bíblia e percebemos que sempre foram um povo violento e, tal e qual os americanos, não passam anos sem se verem metidos em guerra.

Começamos com Abraão em guerra. Depois, vamos para a migração para Egipto, onde enfrentaram o primeiro partido nazi, que por acaso só os usou, tal como usou muitos outros povos, como escravos. Saíram do Egipto, acho que misturados com outros povos que assimilaram e começaram as guerras e matanças tentando encontrar o lugar deles, praticando a política de terra queimada, a mando de Deus, El, Javé, Jeová, Eu Sou... mas isso também é outra história.

Israel (eu sei que ser juseu não significa necessariamente ser israelita, mas alguém sabe destrinçar isso?)... estava a dizer, Israel nunca viveu em paz com os outros, significando que não estava em paz consigo mesmo. Mas não pretendo com isso, que mereciam ser chacinados pelos nazis. 

Entretanto, se eles não merecem ser chacinados, dominados, explorados e abusados por outros povos, por que estão a fazê-lo aos palestinos?

Qual é a diferneça entre o judaísmo e o nazismo? Eu só vejo o hexagrama e a cruz suástica, aliás ambos são símbolos de uma ideia de intolerância, ambos são símbolos de um povo que se acha acima dos demais, eleitos para governarem o mundo, de linhagem mais pura, merecedores do melhor e mais pertos de deus... ah, e também as cores. 


Rebelo-me contra Israel quando apesar do reboliço que fez e das simpatias que exige porque milhões dos seus foram mortos sadicamente há um bom par de anos, está em plena actualidade a tratar a outros pior do que foi tratado.

Se alguém encontrar as diferenças entre o nazismo e o judaísmo (ou pelo menos o israelismo) é favor apontar.