1 de novembro de 2017

NECESSIDADE DE OFICIALIZAR O GUINEENSE

fonte: http://memoria-africa.ua.pt
Quando andava na primeira classe, no final do ano fiz o exame da segunda classe também, e passei (os meus colegas de Sonaco podem confirmar)... motivo: tinha uma boa memória, já tinha memorizado todo o livro da primeira classe e a tabuada, e como não tinha mais nada para memorizar, memorizei também o da segunda classe, o que me ajudou nos exames. Mas se era bom a memorizar, não posso dizer que entendia o que memorizava, porque estava escrito em português.

E eu tinha o grande privilégio de os meus pais saberem português e de me traduzirem algumas coisas, mas e os meus colegas desprivilegiados cujos pais nem sequer sabiam ler? Aos 7 anos li uma anedota no livro da terceira classe, mas só quando tive uns 25 é que me lembrei desse texto e finalmente me fez rir. Foram precisos 18 anos para a anedota me fazer rir. O principal motivo, a anedota estava escrito em português, e eu não a entendia.

Agora, pense-se, tratava-se apenas de uma anedota, lido por uma pessoa que sabia crioulo, cujos sabiam português e que quando saía da escola e ia para casa ainda ouvia português a ser falado (porque tínhamos televisão, víamos Rua Sésamo, Vila Faia e outros programas portugueses) e ainda passava o tempo a tentar memorizar a Bíblia (em português). E os meus colegas que só ouviam português na escola nos poucos minutos em que o professor o falava?

Como é possível ensinar numa língua que os alunos não entendem e querer no final ter bons alunos? Como poderei pensar por mim e formular conceitos se as referências que tenho são inteligíveis?

fonte: http://memoria-africa.ua.pt
Centrei o meu exemplo na escola primária, mas esta deficiência persegue-nos até mais tarde. Se mesmo muitos que nascem português, sempre tenham falado português e vivem em Portugal, leem textos em português e, a não ser que seja bem mastigadinho, não o entendem, porque não sabem interpretar, pode-se perceber a partir disto a hercúlea tarefa de aprender na Guiné-Bissau numa língua que não nos é "usual".

No filme "Minha Escola" (a partir do minuto 7) o protagonista (aluno de sexta classe) explica muito bem a dificuldade de falar português, porque como cada um fala a sua própria língua étnica, quando se encontram na escola, para melhor se comunicarem falam em crioulo (guineense)? Vê-se daí a necessidade de oficializar o guineense a par do português, para facilitar o ensino e criar pensadores e não repetidores como eu costumava ser.


Nos comentários a um artigo de Didinho, muitos defenderam essa necessidade de oficializar o guineense, que é a língua franca e realmente a língua primeira da Guiné-Bissau, mas que não tem esse estatuto, e torná-la a língua de ensino.

No artigo de Flaviano, Uma Bandeira Falada, lê-se o oposto, que apesar de ser língua franca não se deve oficializar o guineense por ser ainda demasiado cedo para tal, na falta de suportes como uma escrita e gramática acordadas.

Esta é uma daquelas discussões onde aparentemente todos têm razão. No entanto, se por algum milagre o nosso governo decidir oficializar o guineense, a verdade é que já temos vários suportes: em 1987, a Direção Geral da Cultura criou uma norma ortográfica para o crioulo, e em 1999, Luigi Scantamburlo propôs outra, que eu, pessoalmente acho melhor, sem falar ainda de inúmeros trabalhos da Teresa Montenegro sobre o kriol.  

Quantos acordos ortográficos pensam que existe sobre a língua portuguesa? A língua é uma coisa viva, que modifica constantemente, vai ser sempre preciso estudos para acompanhar a sua evolução e talvez simplicar a grafia.

Flaviano também disse que Cabo Verde (que oficializou o seu crioulo) só tinha uma língua, o crioulo, e não uma miríade de línguas com a Guiné-Bissau, e, portanto, o contexto é diferente. Sim, deveras é, mas África de Sul tem onze línguas oficiais, creio eu, e o que se pede para a Guiné-Bissau não é oficializar as nossas mais ou menos três dezenas de línguas, mas apenas o guineense.

E mais... ensinar Fula e Mandinga nas escolas poderia criar também vantagens, considerando que são línguas faladas por cerca de 15.200.000 e 11.000.000 de pessoas, respetivamente, nos países vizinhos. Porém isso é outra história.

A necessidade de oficializar crioulo é mesmo urgente, para acabarmos com a pouca-vergonha de termos deputados no parlamento a ratificarem leis em português quando nem crioulo eles mesmos entendem. Deixo, contudo, claro que não confundo a capacidade de raciocínio e de ponderação de uma pessoa com o seu grau de escolaridade... mas para pensar sobre alguma coisa temos primeiro de entender por que o estamos a fazer, para depois tentar entender a própria coisa, e quando não entendemos a coisa devíamos honestamente manifestar isso.


Já agora a tal anedota era esta:


fonte: http://memoria-africa.ua.pt



Livros de leitura da Guiné-Bissau dos anos oitenta (para fins académicos ou puro saudosismo):

1ª Classe:

3ª Classe:

4ª Classe:
http://memoria-africa.ua.pt/Library/ShowImage.aspx?q=/Geral/L-00000044&p=1


3ª Classe (anos setenta):
http://memoria-africa.ua.pt/Library/ShowImage.aspx?q=/Geral/L-00000035&p=1

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...