2 de novembro de 2016

IRANS DUDUS



















(kim ki fala kriol ka sabi, siti ku liti bas di kama di si mame)

Irans dudus nega polon,
ali elis e na ferferi,
e kuri nam di kobom
e djunta n'utru na iariari
tras di bambarans k' funguli
k' koitadesa pui i rotroti,
ma e mola boka pruntu pa nguli
te kilis nam pro k' potpoti;
e na rumpi bambarans, e na buli
kil padidas k' nbaria na fetfeti,
tok kabesa bida gos i totoli,
na geria ku e mantcha ki na nhatnhati.

Irans na kansa mame
k' foronta na kutkuti,
e na nganal ku ndale,
na sintidu di luplupi
tras di si fidju k' nhongoli,
k' bida i ual-uali
pabia di fomi k' na tchokoli
tok bariga gos kaskasi;
i na kansa fidju k' pes nomboli,
pabia di kansera k' ialali,
si sunhus tudu potcholi,
ma em bes di i girta, i na belbeli.

Irans na kansa pape
k' pega tesu na farfari
ku manduku di lambe
e limbil tok i tartari...
pape kansadu na kopoti,
tok kosta tudu na bulbuli,
pabia inxadas na fokoti,
kaba tchuba ka na ierieri;
pape ka na ianda, son djopoti,
i ka tene nim bianda pa sepsepi,
gos si udjus nam ki e na lokoti,
ma i ka osa nim saksaki.

Irans na kansa mininu de,
tok i medi dapil, i na nan-nan'i
pa um futuru mofinu, sim fe,
amanha na kaplil i na tchantchan'i;
mininu sta suma mangu ki konkonhi
k' sekura suta kaska tok i nornori,
si speransa k' munguti k' pui i pimpinhi.
Irans gasali kil si sunhus k' basbasi,
e fala i kingiti, e panhal el e fatfati,
tok kila iesali, nim i ka pudi n'unin'uni.
Ali mininu sim kankanha, nim kinkinhi,
gos na kintal di brankus ki na uar-uari.

23.09.03

11 de outubro de 2016

TEREMOS EXCESSO DE JURISTAS NA GUINÉ-BISSAU?

No Encontro de Estudantes Guineenses em Coimbra (que decorreu nos dias 8 e 9 do corrente) surgiu esta observação, em tons quase anedóticos, de que temos na Guiné-Bissau um excedente de estudantes de Direito, ou mesmo de juristas (e também de estudantes de ciências políticas).

E daí a questão: com tantos doutores (ou serão Dr.?) da lei, com tantos cientistas políticos, como é que a situação política e legal do país se encontra absolutamente torta e desordenada, não sobrevivendo nem a observações empíricas? Será que estudam direito de forma errada?

Talvez seja este facto que crie esta predisposição de fazer piadas e de achar que nos nossos canteiros de juristas e de cientistas políticos deviam ser cultivadas outras profissões (ou devia dizer áreas académicas?) e crie esse, vou chamá-lo assim, “preconceito” em relação aos estudantes do direito. Preconceito que eles mesmo ajudam a sustentar, porque se consideram os mais lidos, mais conhecedores, mais bem-falantes e mais bem preparados para pôr as coisas a andar bem. E os dos outros cursos, ou profissões, acham que eles se consideram dessa maneira.

Mas a verdade é que, no caso da Guiné-Bissau, alguém acha que existe alguma possibilidade de termos menos estudantes de Direito, se uma das melhores ofertas em termos académicos continua a ser a Faculdade de Direito de Bissau, e durante muitos anos, foi basicamente a única oferta? Alguém acha que num país onde grassam problemas políticos e legais e onde parece que os juristas (olhem que nem digo advogados) são o que necessitamos para pôr as coisas nos eixos, não será essa a profissão mais desejada?

Eu sei que temos outros problemas e penso, às vezes, que não temos necessidade de tantos juristas e cientistas políticos na Guiné-Bissau, mas tal como não diria que temos excesso de médicos, de engenheiros agrónomos (que já foi o curso mais querido após a independência, porque era o curso de Cabral, mas que por causa das nossas políticas a quase totalidade desses profissionais estiveram e alguns ainda estão em risco de passar fome, enquanto um nova elite surgia), ou excesso de quaisquer outros tipos de profissionais, também não direi que temos excesso de juristas (aliás, eu sou arquiteto e quero trabalhar na Guiné-Bissau; um país onde cada um constrói a sua própria casa, que necessidade têm de mim?). Todavia, acredito que deve haver comedimento, só que não sei como fazê-lo sem pôr em questão liberdades individuais.

Enquanto continuar a parecer que a forma mais fácil e imediata de ter sucesso profissional na Guiné-Bissau é através de direito ou de ciências políticas, porque todos os anos (desculpem, queria dizer todas as semanas), os nossos políticos fornecem-nos materiais absurdos para debates e bate-bocas; e os nossos juristas clamam para si o domínio do conhecimento das leis escritas e a exclusividade de citação de memória dos artigos que a constituem, e os nossos cientistas políticos estudaram a política e sabem como ela funciona, dizem por sua vez que o entendimento está com eles, então os restantes e a população são obrigados a calar, embora utilizando apenas o senso comum consigam ver o irrisório de toda a situação.

E mais que isso, parece que a única forma de ganhar dinheiro na Guiné-Bissau é através da política e muitos fazem um ligação direta entre a política e o Direito, e também, as ciências políticas (afinal esta última até tem "política" no nome); muitos estudam direito por motivo errado.

Bem, a questão principal talvez deva ser, se se acredita que temos excesso de juristas (e de cientistas políticos), então o que é que temos em falta?, e o que se deve fazer para a suprir?

24 de julho de 2016

IRAN DUDU














Iran dudu, kontam de kal ki bu bardadi…
Bu nega tchon, bu ndjata polon,
pa pui mon na brankundadi,
Bu bota kana, ma bu toka bana mon
 pa sana serveja,
N'pirdi kalma, pabia n’kansa dja gos darma
na amontondadi…
Bu nega mandjendjes, tras di prenthentches
so pabia di nveja!

Iran dudu!, bu baloba bida i farta saklata,
Futserus ki baloberus, e nega feru
e na bota karta,
Katenderas ka tem tera, na kansera
e torkia kobon,
Gos daris ki fika e na ri, ali e patchari
suma karpata,
Suma pekaduris pega muri e nterga duris
e larga tchon.

Iran dudu!, alin li, tem pasensa, ka nhu nfatim.
Dam mon, alin na tchon na bu kobom,
falim,
No sai di lundju, po, pa lungu di bo, ko nudju nos,
 balinu,
Ali n'sinta sintadu, ku sintidu intchadu,
n’na pidiu: nhabim!,
Nha distinu sta mofinu, Iran, obi sinu,
ora na kaplinu.

24 de junho de 2016

BREXIT - ADVENTO DE UMA CRISE OU REVOLUÇÃO EUROPEIA

Não preciso de avisar que este artigo é altamente especulativo.

Com o BREXIT aprovado, começa um efeito dominó que pode e, de certeza vai, ter um fim imprevisível (ou talvez tudo já tivesse sido planeado adequadamente). O imperialismo anglo-americano ganha assim novo fôlego (falta o Donald Trump ganhar no outro extremo para se relançar com renovado alento). A Libra cai, o Euro vai por arrasto, diminui-se o espaço comercial do Euro e a sua influência, o que vai fazer com o Dólar, que tem estado a perder a supremacia, volte a ganhar força e garantir a sua posição de moeda de tráfico internacional. Pontos para os EUA.

Entretanto, no referendo que tinha sido feito em 2014 sobre a saída da Escócia do Reino Unido, houve ameaças da UE de que se Escócia abandonasse o UK (Reino Unido), seria subsequentemente expulso da UE. Eles escolheram a permanência. Sentindo-se traídos agora, e considerando que a maioria votou a permanência na UE, podem agora decidir a sua saída do UK. Conseguindo isso, vão abrir um precedente que favorecerá grandemente a Catalunha e o País Basco. O que acentuará uma tendência de desintegração em toda a europa.

Se este BREXIT vier a revelar-se apenas como um jogo que o UK fez para chantagear a UE em troca de acordos mais favoráveis, será copiado por vários países, o que inevitavelmente levará a desintegração. Aliás, independentemente do que vier a revelar-se, outros países seguirão os passos do UK.

A desintegração da UE não parece ser má de todo, considerando a sua aparência atual.  A UE tem como o núcleo o capital, em vez de pessoas; subverte as vontades dos estados membros, anula a democracia desses países e governa-os com regras económicas só por ela mesma conhecidas. Quem manda na Europa são pessoas que não são votadas (DITADURA DO CAPITAL). E alguém já se esqueceu do que a UE fez à Grécia? Isso precisa mudar, é preciso alterar o núcleo da UE, e talvez este BREXIT leve a isso, a não ser que queiram deixar tudo nas mãos dos EUA novamente. 

Por isso, se se desintegrar a UE para se reconstruir, ou melhor, se se reconstruir para evitar a desintegração, será mais sólida. Mas enquanto continuar a dizer que a França não se pode sancionar por ser a França, mas Portugal é já sancionável, ou que a Grexit só é mau por causa da estratégia militar, mas o BREXIT é catastrófico, com esses dois pesos e duas medidas, continuará sempre a ser um gigante com pés de barro (pois são os povos que fazem os pés, são os povos que sustentam a política, religião, economia e tudo o mais).

O problema, todavia, é que se a UE se desestabilizar não vão ser apenas os EUA a tentarem rapiná-la, mas também a Rússia, que há muito tempo está a tentar alterar as balanças do poder e acabar com a hegemonia económica dos EUA e com a supremacia do FMI, pretendendo criar através dos BRICS, um novo núcleo de poder económico. Não que a UE ou os EUA estejam a dormir quanto a isso, porque operaram para desestabilizar tanto os BRICS como o MERCOSUL, com a Argentina nas mãos de Macri, o problema com que o Maduro tem lidar na Venezuela e o afastamento de Dilma no Brasil, entregando o poder nas mãos de direitistas pró-liberalismo-esclavagista-capitalista.

BRICS
No entanto, sendo a UE uma grande parceira dos EUA na luta contra a estabilidade da influência económica da Rússia, sob a égide do FMI, se se fragmentar a segunda, neste sistema canibal, como os EUA irão atrás dos despojos e a Rússia também, vamos ser levados a uma mais aberta nova Guerra Fria. Mas, se a UE se recuperar através de uma política menos orientada para o capital, e mais inclusiva, provavelmente sairá mais forte do que antes, pois caso contrário, vai receber um novo PLANO MARSHALL do qual vai levar outra centena de anos a tentar se livrar. Sem dizer que a sua aliança com a NATO, que só por si já é forte, solidificar-se-á ainda mais, deixando-a totalmente entregue nas mão dos senhores da Guerra (olá os EUA).


E nesta crise política e mundial que se avizinha, quem vai sair a ganhar é o FMI e o BM, porque são eles que impõem as sanções, pois são quem controlam o dinheiro, e os países, organizados ou não, vão sempre correr atrás de dinheiro, a não ser que a UE crie outra alternativa bancária, dela mesma e não submissa ao FMI, pois se os BRICS o conseguirem primeiro (e espero que consigam), a UE nunca conseguirá reerguer-se, caso vá abaixo, a não ser, talvez, com o poder militar da NATO.

Eu espero que este BREXIT se consolide numa revolução a favor da democracia e dos povos, e não se venha a verificar que é uma mera estratégia para a recuperação imperialista anglo-americana, como um contragolpe ao neo-imperialismo-germânico.

22 de março de 2016

AS LIÇÕES DE GUINEENSE (KRIOL) - 1ª LIÇÃO (parte I)

PRIMEIRA LIÇÃO


Para uma melhor facilidade de aprendizagem do guineense, recomendo o livro Kriol Tem, de Teresa Montenegro, contém vocabulários, nome de animais, de plantas (científicas inclusive) e expressões idiomáticas (muitas que eu não conhecia e outras que já esqueci). Quem quiser adquirir o livro pode contactar kusimon@kusimon.com ou avise-me aqui. E também Dicionário do Guineense, de Luigi Scantamburlo.



SAUDAÇÕES

GUINEENSE
PORTUGUÊS
PRONÚNCIA
mantenha
cumprimentos
mantenha
fala mantenha
cumprimentar
fal-à* mantenha.
bom dia
bom dia (óbvio, não?)
bom dià
bo tardi
boa tarde
bó tarde
bo noti
boa noite
bó note
kuma k' bu sta (kuma ku sta)?**
kuma di kurpu?
como estás?
cuma que bu stà*
cuma di curpo?
n' sta bem
kurpu sta bem
estou bem

kurpo sta bem
te logu
até logo
té logo
te manha
até manhã.
té manhà
dipus no na odja
vemo-nos depois
dipus nó na odjà*

Observação 1: nas partes da pronúncia, só vou escrever as falas que possam criar alguma confusão. Por exemplo, não dizer “bo tardi”, com o “i” tónico, em vez de “bo tarde” com um “e” reduzido.

Observação 2: não estou certo se o guineense é uma língua de acento ou uma língua de tom (confiram com o Dicionário do Guineense de Scantamburlo), porque parece que mistura as duas coisas, como na palavra “mpelele” do “branku-mpelele” que tem três acento tónicos, “mpé-lé-lé”, ou na palavra “pelele” do “pelele di gatu”, que têm dois acentos tónicos “pelé-lé.

* O acento em guineense é diferente do acento em português. Quando utilizo “acento grave” na coluna da pronúncia é para marcar a diferença entre a pronúncia guineense e a forma de ler português, que não contempla o nosso acento. Por exemplo, tomemos em conta as palavras “paraquedas” e “para”, o “para” lê-se de forma diferente nas duas palavras. Quando utilizo o “acento grave” é para a palavra ser lida como o mesmo acento que o “para” em “paraquedas”.
Outra forma de pronunciar corretamente seria fazê-lo como se não existisse o vogal antes da última sílaba, por exemplo a palavra “fala”, quando é verbo (falar), lê-se com o mesmo acento com que se leria “fla” (todos os verbos leem-se com este acento, salvo raras exceções), no entanto, quando é substantivo (voz), lê-se como em português, “fala”.

** “Kuma k' bu sta?” pode-se também dizer “kuma ku sta?”, acontece aqui que o “k' bu" ou "ki bu” (há variantes) é sincopado em “ku”. (E vale a pena dizer: neste caso, “não tem nada a ver com as calças”). Será depois melhor explicado.



GRAMÁTICA

Os pronomes pessoais são usados de duas formas. A primeira só é usado em caso indicativo ou em combinação com o verbo ser (sedu). Para conjugar os restantes verbos, o pronome pessoal utiliza-se com outras partículas (que implicam ação) e ela podem ser usados na conjugação sem a presença dos pronomes.

PRONOMES PESSOAIS (1ª forma)
GUINEENSE
PORTUGUÊS
PRONÚNCIA
ami
eu
ami
abo
tu
abò
el
ele/ela
el
anos
nós
anóss
abos
vós
abóss
elis
eles/elas
eliss


Frases de exemplo
GUINEENSE
PORTUGUÊS
PRONÚNCIA
Ami i fidju di nha pape.
Eu sou filho do meu pai.
Ami i fidjo de nha pá-pé.
Abo i studanti di kriol.
Tu és estudante do crioulo.
Abò i estudante de kriol.
El i bu grandi amigu.
Ele é teu grande amigo.
El i bu grande amigo.
Anos i prumeru k tchiga.
Nós fomos os primeiros a chegar.
Anóss i prumero que tchigà.
Abos k' bim ku e storia.
Vocês é que vieram com essa história.
Abóss que bim cu e estória.
I elis k' kume nha bianda.
Eles é que comeram a minha comida.
I eliss que cumè nha bianda.
Kim k' ta manda li i el.
Quem manda aqui é ele.
Quim que ta mandà li i el.
I ka ami ki furta bu nbludju.
Não fui eu que roubei o teu embrulho.
I ca ami que furtà bu nbludjo.
Abo ki djimpinil otcha i na laba.
Foste tu que o/a espreitaste quando se estava a lavar.
Abò que djimpinil otcha i na labà.
Anos ki rabata pon di bu ermon.
Nós é que arrebatamos o pão do teu irmão.
Anóss ki rabatà pon di bu ermon.

Para conjugar os outros verbos, os pronomes pessoais levam outras partículas e são conjugados utilizando essas partículas (2ª forma).



PRONOMES PESSOAIS (2ª forma)
GUINEENSE
PORTUGUÊS
PRONÚNCIA
ami
n'
eu
ami n’
abo
bu/u
tu
abò bu/u
el
i
ele/ela
el i
anos
no
nós
anóss nó
abos
bo
vós
abóss bó
elis
e
eles/elas
eliss é


Frases de exemplo
GUINEENSE
PORTUGUÊS
PRONÚNCIA
Ami n' kume  dja.
Eu já comi.
Ami ncumè djá.
Abo bu ka sibi papia guinensi.
Tu não sabes falar guineense.
Abo bu ca sibì papia guinense.
El i ta furta bakas.
Ele rouba vacas.
El i ta furtà bacas.
Anos no panha mampusma.
Nós apanhamos pé-de-atleta.
Anóss no panhà mapussma.
Abos bo gosta di nfala-nfala.
Vocês gostam de diz-que-diz-que.
Abóss bó gostà de nfalà-nfalà.
Abo bu/u fiu suma santchu.
Tu és feio como um macaco.
Abo bu/u fiu suma santcho.
Elis e ka ta konta bardadi.
Eles não dizem a verdade.
Elis é ca ta contà bardade.
Abo bu kumpra kil bobra na fera.
Tu compraste aquela abóbora na feira.
Abò bu cumpra kil bobra na fera.
Ami n' kaba dja e parti.
Eu já acabei esta parte
Ami nkabà djá é parte.
Anos no ka ta medi nada.
Nós não receamos nada.
Anóss nó ca ta mede nada.



Observação 3: Para a conjugação dos verbos (exceção do verbo ser - sedu) pode-se utilizar as partes respetivas de cada pronome, sem a necessidade de utilizar o pronome em si, como é hábito nas conversações. Por exemplo: "N' odja (eu vi), em vez de  Ami n' odja". "Bu tene/u tene (tu tens) em vez de "Abo bu tene". De forma geral é como dizer em português "tenho", em ver de "eu tenho", porque a primeira forma subentende o pronome "eu". No entanto, para efeito enfático, utiliza-se a estrutura completa: por exemplo: "Ami n' odja". 

VERBO SER – SEDU
GUINEENSE
PORTUGUÊS
PRONÚNCIA
ami
i
eu sou
ami i
abo
i
tu és
abò i
el
i
ele/ela é
el i
anos
i
nós somos
anóss i
abos
i
vós sóis
abóss i
elis
i
eles/elas são
eliss i


Os verbos em guineense conjugam-se, mudando apenas o pronome pessoal. O único verbo irregular é o verbo sedu. E é também, dos poucos verbos com “presente de indicativo simples”, os restantes, como veremos nas aulas mais à frente, só são conjugados no "presente" de forma composta.

5 de março de 2016

AS LIÇÕES DE GUINEENSE (KRIOL) - INTRODUÇÃO


A primeira coisa a ter em conta quando se aprende uma língua através do seu código escrito é a ortografia. E para o que aqui pretendo, ensinar a falar kriol, ou guineense, a ortografia revela-se um problema, visto não haver ainda um sistema ortográfico guineense unificado e acordado. Praticamente todos escrevem kriol de forma diferente, uns utilizam para isso o sistema ortográfico português, outros, o sistema italiano, e outros um dos sistemas propostos recentemente por linguistas que trabalharam sobre kriol. 

Nos Boletins Culturais da Guiné-Bissau, muitas vezes os investigadores transcrevem a língua guineense e outras étnicas, utilizando o sistema português. Entretanto, os primeiros livros, que eu li, escritos em kriol foram traduções da bíblia e das missas, feitos por padres italianos para padres italianos, portanto é normal que tenham influenciado a escrita do guineense, como na proposta de 1987 (mais à frente). Eles utilizavam, por exemplo, a letra “c” para o som “tch” (igual ao inglês “ch”, do nome Chomsky) , assim nas palavras macu” ou “cabi, que alguns (a maioria, atrevo-me a dizer) escrevem matchu ou tchabi; ou a letra “j” para ser lido por “dj” (como se leria em Django), nas palavras bajuda” ou “canja”, para serem lidos “badjuda” ou “candja”. 

No entanto, Moema Parente Augel, observa que o primeiro livro (ficção, provavelmente) em kriol, ou pelo menos, bilingue, foi de Augusto Pereira, Lubu ku lebri ku mortu i utrus storya di Guiné-Bissau, em 1988, mas já em 1987 existia o Vokabulari Kriol Portuguîs, de Arturo Biasutti.

Para este meu manual ou tutorial ou guia ou lições (chamem como quiserem) de aprender guineense eu poderia usar o sistema utilizado por Teresa Montenegro, que é, ouso afirmar, a maior impulsionadora da escrita da língua kriol, ou o sistema utilizado por Luigi Scantamburlo que, conforme o próprio, se baseia na grafia adaptada pela Direcção Geral da Cultura em 1987, "Proposta de Uniformização da Escrita do Crioulo”, porém com algumas alterações devido à modernização do sistema fonológico guineense (e criando uma maior proximidade com o sistema ortográfico português, visto este ser a língua oficial da Guiné-Bissau e de certa forma, o pai do guineense), no entanto vou propor um outro sistema.

No meu curso de Licenciatura em Língua Portuguesa, tive uma cadeira chamada fonética e fonologia e o que aprendi nesse curso é que um alfabeto fonológico (permitam-me dizer), onde cada letra corresponde a um fonema, é o melhor e mais simples de utilizar, para evitar confusões como em português onde o fonema “s”, pode ser representado por, “s”, “c”, “ç”, “ss” e “x”, como em “sinto”, “cinto”, “caçula”, “assola” e “auxílio”, e a letra “s” pode representar, “s”, “z” e “ch” (não é propriamente "ch", mas anda perto) e "j", como em “saca”, “casa” e “cais” e "ismos". (Nunca prestei atenção nas aulas do Alfabeto Fonético Internacional, senão seria aqui de grande ajuda.)

Para evitar problemas deste tipo, vou adotar aqui um sistema mais fonológico, onde cada letra corresponde a um som apenas, no entanto, não será possível evitar combinações de letras para determinados fonemas. O sistema que proponho é diferente do de Scantamburlo (1999), mas baseado no dele, e por vezes regressivo ao sistema anterior de 1987, como no uso do “g”. Fica, no entanto, desde já o aviso que nenhum sistema escrito é perfeito, e embora eu queira evitar algumas dificuldades do sistema gráfico acima referido, tem outras que não conseguirei evitar. Por exemplo, vão sempre surgir palavras como “papa”, que tanto pode ser lido por “pappa”, como “papa” ou “papá”.

O mais sensato, eu sei, seria utilizar o sistema apresentado no livro de Scantamburlo, porém… como é apenas uma proposta de escrita ainda, não vejo problemas em apresentar uma outra proposta, e fico à espera ainda de outra ou de discutir esta com alguém, em busca de uma melhor, pelo menos até que se normalize a escrita.

retirado do Dicionário Do Guineense Volume II, de Luigi Scantamburlo




Para o sistema ortográfico, vou usar aqui o alfabeto de 26 letras utilizado também em português, no entanto, algumas das letras serão usadas apenas para casos de estrangeirismos. Posto isto, vou apresentar o código da pronúncia.

Onde fundamentalmente o sistema que vou utilizar aqui difere do sistema de 1999 é no uso de “gu” precedendo “e” ou “i”, de “x”, “ch”, “lh” e “tc”.

Para o “gue” ou “gui”, por exemplo, proponho usar apenas “ge” ou “gi”, com a mesma pronúncia, por causa de palavras como “aguenta” que se lê “agüenta", ou "guerla" (güerla) ou "nguiba" (ngüiba), iguixta" (egoísta), "linguixta" (lingüista), entre algumas.

Para os sons “ch”, proponho sempre que sejam representados por “x”. Seja o som de "chá", ou do "s" no no final da palavra, ou antes de um consoante que não seja outro "s", como em dados ou dispensa (palavras em português), ou do "z", como em feliz. Assim para diferenciar palavras como "testu" (recipiente para cerimónias religiosas), que se pronuncia com "s", e "textu" (texto), ou "skribi" e "ixkrivi", "totis" e "filix".

Para os sons “ks”, que Scantamburlo representa por “x”, como em “fixa”, proponho “fiksa”. Com exceções no entanto para estrangeirismos e universais como “taxi”.

Para o “lh”, embora haja diferenças de pronúncia entre “ilha” e “ília”, a proximidade é tanta que ambos os sons podem ser representados apenas por li, assim “pilia” em vez de “pilha”. Aliás, o guineense mal pronuncia "lh", por exemplo a palavra "deu-lhe", pronunciamo-la "deu-li". 

Em vez de “tc” proponho o tch”, por se se encontrar popularizado e por temos vários nomes próprios exclusivamente guineenses, com esse fonema, escritos por “tch”, como Tchico, Tcherno, Bitchofola, Tchotchi ou Tchutchu.

CÓDIGO DA PRONÚNCIA


guineense
português
pronúncia
A
aza; ama
asa; ama
asa; ama
B
baka; baldu
vaca; balde
baca; baldo
C
nomes e estrangeirismos


D
dedu; dadu
dedo; dado
dedo; dado
E
erva; pe (lê-se sempre como na palavras “erva”)
erva; pé
erva; pé
F
foli; faka
fole; faca
fole; faca
G
galu, gera (lê-se sempre como na palavras “galo”,  exceções para nomes como Guiné, Gino, entre outros).
galo; guerra
galo; guerra
H
nomes e estrangeirismos


I
iagu; intidu (o “i” no final da palavra não é tónico)
água; inteiro
iago; intido
J
jelu; gaju
gelo; gajo
gelo; gajo
K
kuadru; saku
quadro; saco
quadro; saco
L
lestu; kabelu
lesto; cabelo
lesto; cabelo
M
marka; sumu
marca; sumo
marca; sumo
N
nada; tensu
nada; tenso
nada; tenso
O
ovu; po (lê-se sempre como na palavra “ovu”)
ovo; pau
ovo; pó
P
puti; premiu
pote; prémio
pote; prémio
Q
nomes e estrangeirismos


R
ratu, tera (não existem r dobrado em guineense, “um carro caro” é sempre “um karu karu). Mas pode ler-se com “R” que ninguém se rala.
rato; terra
rato; tera
S
sapatu, kabesas, pasensa (pronuncia-se sempre como no “sapato” e todos os sons “s” são sempre representados por “s”, com algumas excepções - ver nota 1)
sapato; cabeças; paciência
sapato; cabeças; paciência
T
tampu; sertu
tampo; certo
tampo; certo
U
untu; tampu (o “u” no final da palavra não é tónico”
unto; tampo
unto; tampo
V
vidru; nervu
vidro; nervo
vidro; nervo
W
nomes e estrangeirismos


X
xatu; caxa (todos os sons “ch” serão representados por “x” e “x” representa apenas sons “ch”, salvo exceções)
chato; caixa
chato; cacha
Y
nomes e estrangeirismos


Z
zinku; vazu (todos os sons “z” são sempre e unicamente representados por “z”)
zinco; vaso
zinco; vaso
NH
prenhada; nhambi
grávida; inhame
grávida; inhame
DJ
djimpini; badjuda (como em "Django")
espreitar; rapariga
espreitar; rapariga
TCH
Tchumbu; tcheru (como em "tchau")
chumbo; cheiro
tchumbo; thcero
N’
Lun’a; n’aie (pronuncia-se com o “n” velar nasal, seguido do vogal, como “lunn-ha”, ouvir exemplo)
lua (forma arcaica); rapaz iniciado balanta 
lun-à; n’-aiê

NOTA 1: Nas palavras começadas por "s" e uma consoante ("sp", "st", "sk", entre outros), o "s" pode tomar o som do "ch", devido à diferença de pronúncia existente entre os falantes.  Exemplos: Sporting (aceita-se a pronúncia "sporting" ou "esporting"), stranhu (stranho ou estranho). Para evitar problemas de escrita, sugiro que se aceite dupla grafia, para palavras como estas, quando não são nomes (pelo menos, nestas minhas aulas, aceitam-se): ixkerda ou skerda, ixtranhu ou stranho, ixpertu ou spertu, ixkravu ou skravu, entre outros.



Tal como os dois sistemas referidos, 1987 e 1999, também se dispensa o uso de acentos, servindo, portanto, o contexto como melhor diferenciador. 

E como dito anteriormente, não há nenhum sistema que seja perfeito e que não mereça críticas. Todavia, acho que já tenho aqui uma base ortográfica para prosseguir com as lições de guineense.

E por quê em 42 lições?
Porque o sentido da vida é 42, se não acreditarem cliquem aqui.